O conceito de Cloud Computing

Refere-se à utilização da memória e das capacidades de armazenamento e cálculo de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da Internet, seguindo o princípio da computação em grade. (OLHAR DIGITAL, 2015).

O armazenamento de dados é feito em serviços que poderão ser acessados de qualquer lugar do mundo, a qualquer hora, não havendo necessidade de instalação de um software ou de um Banco de Dados. O acesso a Cloud se dá através da Internet (por isso o conceito de nuvem).

Para Taurion (2009) cloud computing “É uma ideia extremamente sedutora: utilizar os recursos ociosos de computadores independentes, sem preocupação com localização física e sem investimentos em hardware

Ou seja, é uma tecnologia que promete revolucionar conceitos como armazenamento e compartilhamento de arquivos e recursos. Com o passar do tempo a popularização desta tecnologia está levando muitas empresas a migrarem suas plataformas físicas bem como seus sistemas ERPs para plataformas totalmente digitais, para o que chamamos de Cloud. Esta que é nada mais do que uma forma de armazenar e acessar estes arquivos de qualquer lugar do mundo, com qualquer dispositivo, desde que possua acesso à internet.

O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à utilização da memória e das capacidades de armazenamento e cálculo de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da Internet. (GREEN TREINAMENTO, 2016).

O armazenamento dos dados é realizado através de aplicações disponíveis 24horas, de qualquer lugar do mundo, não havendo a necessidade de instalação de um software ou até mesmo de um banco de dados. Isto se deve pelo fato de não termos armazenados os dados em um servidor específico, e sim na nuvem, permitindo assim a facilidade ao acesso. Portanto, quando disponibilizamos algo na nuvem, basta apenas um acesso à internet, indiferente da localização ou do dispositivo utilizado, para estar usufruindo destes dados

Com isso, podemos dividir a cloud em 4 tipos, sendo eles Nuvem Privada, Nuvem Pública, Nuvem Híbrida e Nuvem Comunitária abordadas abaixo.

Nuvem privada

Segundo Penso Tecnologia (2015, p.1), “é o ambiente de cloud computing dedicado para a empresa e por ela gerenciado – esteja ele dentro da própria empresa ou em um datacenter externo”.

Embora seja uma inovação, o conceito de nuvem privada não é novidade, pois diversas empresas ao redor do mundo utilizam estes meios. Basicamente é a utilização da cloud dentro da empresa, de forma remota ou não, na maioria das vezes gerenciada pela própria empresa, porém não é uma regra. Com isso, consegue-se aplicar restrições de acesso e também utilizar maneiras de autenticação

Com o crescimento desta tecnologia e a disseminação das informações que a rodeiam, as empresas têm mudado seus conceitos acerca desse modelo de nuvem, porém ainda é muito utilizada por empresas que não se sentem confortáveis em migrar para uma nuvem pública, por receios de segurança dos dados e até mesmo por cultura organizacional pelo fato da empresa ter total controle de seus recursos.

Figura 1: Nuvem privada

Fonte: IBM (2015)

Nuvem pública

Diferente da nuvem privada, na qual é dedicada para a empresa e acessada somente por quem a empresa determinar, a nuvem pública é criada para o público em geral sendo acessado por qualquer indivíduo que conheça a localização do serviço.

A nuvem pública é a opção mais acessível entre as modalidades de nuvem, pois os recursos de infraestrutura são compartilhados e custeados entre várias empresas de todo o mundo. Fazer a contratação também é relativamente simples – a infraestrutura é fornecida em formato de serviço, normalmente contratada através de assinatura”. (PENSO, 2015, p.12).

O fato de não haver a obrigatoriedade de se ter um servidor físico dentro da empresa, tendo em vista que os dados serão armazenados em servidores externos, acaba se tornando uma dúvida na hora da contratação do serviço, pois na maioria das vezes, os dados serão armazenados e compartilhados com outras empresas de até mesmo outros países.

Figura 2: Nuvem pública

Fonte: IBM (2017)

Nuvem híbrida

Segundo IBM (2017, p.1), “uma nuvem híbrida usa uma base em nuvem privada combinada com o uso estratégico de serviços em nuvem pública. A realidade é que uma nuvem privada não pode existir isolada do resto dos recursos de TI e da nuvem pública de uma empresa”.

A nuvem híbrida possibilita a utilização de sistemas na nuvem privada e outros na nuvem pública, simultaneamente. Com isso, podemos dividir os sistemas utilizados, como por exemplo, se utilizam informações confidenciais armazenamos em uma nuvem privada, caso contrário, nuvem pública.

Figura 3: Nuvem híbrida

Fonte: IBM (2017)

Nuvem comunitária

Segundo a SERPRO (2015, p.1), “a infraestrutura de nuvem é dividida entre várias organizações e tem um conselho para tratar as preocupações comuns, como missão, segurança e políticas”.

Com isso, empresas se juntam e criam uma nuvem comunitária, afim de que todos os integrantes do grupo (nuvem) compartilhem os serviços ofertados pela nuvem, de modo que sejam compartilhados somente entre eles. Estes serviços podem ser, por exemplo, segurança em rede, políticas de uso, entre outros, além de ser gerenciado pela própria empresa ou até mesmo por empresa de terceiros.

Sobre @MaurivanSB

Todos os dias você deveria fazer algo que te de muito medo ... Isso lembra que você ainda vive ...
Galeria | Esse post foi publicado em Cloud, Tecnologia e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.